Métodos Punitivos e Suas Consequências

💙
11 agosto 2016


Castigo, punição, cantinho do pensamento, palmada ... Os nomes são muitos, mas o objetivo é o mesmo: punir as crianças, para que elas aprendam uma lição. Você acredita que se corrige um erro cometendo outro? 

Antigamente punir significava autoridade, bater era sinônimo de respeito, mas hoje em dia, após muito se discutir sobre os métodos punitivos e o PREJUÍZO A SAÚDE EMOCIONAL da criança, sabemos que a melhor forma de se educar é dando o exemplo e caminhando lado a lado do seu filho.

Eu não sou a mãe perfeita que não perde a paciência, e sei que todas nós (mães e pais também) temos nossos dias negros. O fato é que violência gera violência, então se você está estressado e seu filho faz uma bagunça, birra ou algo inadmissível e você já irritado "desconta" nele por ser autoridade, eu vou lhe dizer algo bem sabio: "A violência não é um sinal de força. Violência é sinal de desespero e fraqueza!".

Discutir métodos corretos de punição vai muito além do que o âmbito familiar. É uma questão cultural que precisamos modificar urgentemente. Uma criança só aprende o que é correto, se o exemplo vier daquele que lhe der amor e carinho.

Baseada no estudo da disciplina positiva, umas das filosofias que logo me apaixonei, listo algumas alternativas de corrigir seu filho.

- Faça uma pequena pausa junto com a criança: o grande clique desta ação é fazer isto antes que tudo saia do controle. Se você percebe que seu filho está tendo um momento difícil (ira, raiva ou birra), vá para um espaço tranquilo para que ele possa se acalmar. Escute seu filho, se conecte com ele e entenda o motivo pelo qual há aquela explosão de sentimentos dentro dele.

- Dê uma segunda chance: Todos nós cometemos erros, todos os dias. E por que quando a criança faz algo de errado precisa ser punida severamente? Segundas chances com opções para que a criança possa se expressar e fazer suas escolhas, são a melhor opção! "Você não pode rabiscar a parede (explique o motivo), mas que tal fazermos um lindo desenho nesta folha?"

- Discutam os problemas em família: Não importa a idade do seu pequeno, quando ele cometer algo de errado conversem em família sobre o ocorrido! Uma família deve estar unida em todas as situações e ter o apoio dos pais para lhe direcionar no caminho certo é fundamental.

E por que o castigo, bater, brigar não funcionam?

1- CASTIGOS NÃO FUNCIONAM A LONGO PRAZO

O primeiro problema é que castigos não funcionam a longo prazo. Você pode até pensar que eles são eficientes a curto prazo, porque interrompem imediatamente um mau comportamento. Ok, eu concordo. Mas a longo prazo isso não funciona, porque você está apenas olhando para o comportamento, e não está tratando dos sentimentos e as necessidades por trás disso.

2- O RESULTADO NÃO É BEM O QUE NÓS ESPERAMOS

O segundo problema é que os castigos provocam o tipo de reação completamente diferente do que a gente espera. Você pode pensar que um bebê de 1 ano, colocado no cantinho do pensamento, vai pensar sobre o que ele fez de errado? Mas nunca que isso vai acontecer! E você sabe por que? Porque ele não tem a menor maturidade cerebral para lidar com esses conceitos abstratos.

3- PASSAMOS A MENSAGEM ERRADA QUANDO CASTIGAMOS

O terceiro problema que eu vejo é que você passa a mensagem errada para o seu filho, quando o coloca de castigo. Acho que ninguém tem dúvida que filhos são colocados de castigo porque seus pais os amam e querem que eles aprendam importantes lições da vida, né? Pois é, mas essa não é a mensagem que chega aos nossos filhos. Na verdade, muitas vezes, a mensagem que passamos com as nossas atitudes são completamente opostas às que desejamos passar.

Essas são só algumas breves dicas. Cada criança é única, assim como sua família. Orientar é sempre o melhor remédio!

E por aí, qual o método mais utilizado?
7 comentários on "Métodos Punitivos e Suas Consequências "
  1. Lo ótimo assunto a ser abordado ... Que mãe ou pai nunca fez alguma coisa citada a cima né?! Mas aos poucos vamos aprendendo e vendo o que é melhor a ser feito, já perdi muitas vezes a calma sim e acabei dando uns berros, mas na sequência pedi desculpa por ter feito e ficando mais calma com tom de voz melhor, sento e explico que aquilo não pode ser feito e o porque, e quando uma coisa que ele faz é repetida o que faço aqui é tirar por tempo determinado algo que ele gosta (mas tbm não sei se é o certo olhando a longo prazo)

    Bjs Mi Gobbato - Espaço das Mamães

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mi, precisamos sempre avaliar tudo a longo prazo! Confesso que por algumas vezes o pai aqui em casa ameaçou um castigo. Vou lhe contar um fato: Certo dia, Caio não queria comer e jogou a comida na mesa. Bruno imediatamente o colocou de castigo, com meu olhar de reprovação. Caio então ficou inqueto, pedindo para sair do castigo e o pai o tirou com a condição de que ele comesse tudo. Caio concordou. Ao sentar na mesa e olhar para o prato, disse: - Pai, quero voltar para o castigo.
      Ou seja, de que adiantou punir ele naquele momento? De nada! Precisamos saber lidar com os sentimentos deles também e não achar que eles devem nos obedecer a qualquer custo.

      Excluir
    2. Lo aqui as vezes coloco de castigo sim, tem a cadeirinha que colocava ele sentado por determinado tempo, mas era um parto, ele ficava lá chorando e tentando sair, a não ser se fosse o pai que tivesse colocado, então parei com a cadeira, mas dependendo do que faz e a repetição pois antes converso, peço para parar, explico o pq não pode fazer isso e se mesmo assim continua eu acaba tirando algo dele ou por um dia, ou dois, as vezes algumas horas mas no intuito dele perceber que nem sempre pode e nem vai ter tudo o que quer e muito menos poder fazer o que bem quiser, que as coisas não funcionam assim

      Bjs Mi Gobbato
      https://espacodasmamaes.blogspot.com.br/

      Excluir
  2. Muita boa reflexão Lou. Aqui conversamos muito, mas rola um ou outro castigo as vezes. Não sou contra. Acho importante as crianças saberem que suas atitudes geram consequências. Mas concordo qd tu diz que o diálogo e o bom exemplo são primordiais. Bjo

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo post Lou, concordo plenamente por aqui é na conversa que se resolve as coisas, quando estou muito nervosa saio de perto dou uma volta pela casa e depois volto e converso com ele, creio que na base da conversa tudo se resolve.
    Bjs
    Mari
    Vamosmamaes.com.br

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente... Violência só gera mais violência ! Conversar e dar exemplos ainda são soluções mais educativas!

    ResponderExcluir
  5. Adorei o post. O assunto é sempre muito discutido. Especialistas dizem que não pode bater, não pode colocar de castigo. Mas um fato é verdade: os filhos precisam de limites e de regras. A questão é como colocar isso. Vale lembrar que para cada idade há sim uma técnica, porque depende muito da interpretação da criança quanto ao que está acontecendo.

    http://www.arianebaldassin.com/

    ResponderExcluir