Coluna: Fala aí, Papai!

💙
24 janeiro 2016

Olá, me chamo Fábio Villares Monteiro, mais conhecido por Ceará! Tenho 40 anos, sou casado com a Renata Espinho há 5 anos e papai de primeira viajem da pequena Maria Beatriz, Mabi, hoje com 2 anos de idade.

Estou muito honrado em ter sido convidado pelo blog para escrever essa coluna semanal onde contarei a vocês tudo o que vivi desde a descoberta da gravidez!!
Juntei todas as minhas postagens e escritos em um livro que publicarei aqui em partes para vocês acompanharem junto com as novas experiências e aprendizados que vivencio todos os dias com a minha pequena Mabi!
Espero que gostem!!

Não sou escritor e não vou vender 1 milhão de cópias, vou apenas tentar deixar no papel todos os acontecimentos, relatos de emoções e medos para que futuramente minha filha possa ler e saber quem é o pai dela, como ela é e foi amada e também para que eu possa no resto da minha vida reviver essa fase tão legal e emocionante com a releitura dessa obra. Para aqueles que pediram espero que gostem da forma como vou descrever os fatos e da forma que montei o livro; espero que pessoas que queiram ter o primeiro filho possam ler para saber um pouco do que os esperam; gostaria que os que já tiveram filhos lessem para fazer suas comparações ou até mesmo para relembrar o bom momento que já viveram e principalmente, espero que todos aqueles que pediram para eu escrever lessem porque foram vocês que me inspiraram e deu o maior trabalho fazer isso, sendo assim, espero atingir a marca de mais de...10 leitores. Saibam que nas próximas páginas está impresso a história da minha linda e amada filha Maria Beatriz, a Mabi e consequentemente uma parte da minha história: a melhor delas!

Dedico esse livro a minha filha Maria Beatriz e a minha esposa Renata, minha família.
O livro é de vocês duas. Esse é o começo da nossa história juntos. É para eternizar os momentos e os sentimentos que eles proporcionaram quando Deus cruzou os caminhos de nós três.
Cada minuto e cada segundo da minha vida após eu escutar aquele coraçãozinho batendo pela primeira vez numa ultrassonografia são dedicados a Mabi e sua mãe, também cada hora gasta colocando isso tudo no papel, assim como serão todos os dias que me restam.
Somos seres humanos e tudo o que sentimos é perecível, quando não se esgota na própria vida, morre com a gente, mesmo assim, aqui eu quis mostrar para vocês o que representam para mim. Discordando, nesse caso, em parte do grande poeta, será sim infinito enquanto durar, mas, agora não acaba mais como a chama, pois, eternizei nosso amor num livro.
Tecnologia. Impressionante como a tecnologia pode mudar a vida das pessoas. Eu, por exemplo, sempre tive dificuldades até em ligar um computador mesmo tendo pego toda essa evolução tecnológica desde o início. Sou do tempo do LP, de revelar fotografias, de escutar fita cassete... falando um pouco mais de mim, também nunca fui de falar de sentimentos, nem de relatar emoções.

            

 Porém, nos últimos anos surgiram as chamadas redes sociais que na teoria são estruturas sociais formadas por pessoas ou organizações, conectadas por uma ou várias relações, que partilham valores e objetivos comuns. Essas estruturas mudaram minha relação com os computadores e também comigo mesmo.
               Utilizo esse meio para estar conectado com amigos de toda parte do mundo, saber o que estão fazendo, mostrar o que faço, bater papos rápidos, dentre várias outras finalidades. Faço isso com frequência diária, pois, serve também como um bom passa tempo desde que utilizado da forma correta.



           Sempre gostei de algumas piadas que lia, de algumas frases prontas, de alguns ditados, citações e acima de tudo, para ocupar o meu excesso de tempo à toa entre uma consulta veterinária e outra que, em contrapartida, se reflete na mais profunda falta de tempo para estar com os amigos e a família. Quem é trabalhador autônomo sabe muito bem o que estou falando.

Costumava postar fatos importantes do meu dia a dia, até que um belo dia com um acontecimento muito importante na minha vida, uma postagem sobre ele me fez mudar intensamente a minha relação com a rede social e consequentemente com meus amigos lá inscritos. Ao saber que minha esposa Renata estava grávida, assim que tive acesso à internet corri para postar o ocorrido em 30 de abril de 2013:
"COMUNICADO IMPORTANTE: Todos sabem do amor que sinto pelos animais. Ultimamente tenho tido contato com animais diferentes, selvagens, como o tigre, por exemplo, o animal mais bonito da natureza. Encostei em leões, elefantes, ursos, etc. Todos me proporcionaram um sentimento ímpar. Agora, novamente, terei a oportunidade de encontrar com um animal diferente na minha vida, com o qual, nunca havia estado antes: a cegonha.
É com uma imensa felicidade... digo, é com uma felicidade DUCA...que informo aos amigos que minha esposa está grávida. Renata Espinho, obrigado por mais essa felicidade, hoje, posso dizer que sou o homem mais feliz do mundo. Obrigado meu Deus, te agradeço muito por tudo e te peço que nos conceda saúde e muito discernimento. Beijos em todos. Ceará. ”

Tínhamos acabado de voltar da Argentina onde tive contato com os animais citados.
                 A partir de então, fiz postagens periódicas sobre os acontecimentos na gestação, sobre minhas emoções, sobre os meus medos e alegrias com relação a gravidez, parto e pós-parto. Relatei cada fato importante antes, durante e depois do nascimento. Por várias vezes tentei abrir meu coração expondo no papel com palavras simples, mas, as vezes repletas de emoção. Fiz piadas de alguns acontecimentos, mostrei agonia em outros...

Até a próxima semana!





Fábio, 40 anos, veterinário apaixonado por gatos, atualmente se vê as voltas com as dores e delícias de ser ... PAI!



2 comentários on "Coluna: Fala aí, Papai!"
  1. Muito legal!! Ansiosa para reler os próximos capitulos e reviver de isso!!💖😚

    ResponderExcluir